Artigos

ÉTICA NA POLÍTICA

“Vós sois o sal da terra… vós sois a luz do mundo” (Mt 5:13, 14).
Somos cidadãos de dois reinos. Estamos neste mundo, mas não somos deste mundo. Pagamos impostos, elegemos gestores, obedecemos às autoridades constituídas, mas nossa pátria é a celestial, nosso modo de governo é a monarquia do Rei Jesus, nossa constituição é a Palavra de Deus, nossa lealdade suprema é ao reino de Deus, nossa missão é salgar nosso ambiente, desacelerando sua deterioração e iluminar os que se encontram na escuridão espiritual. Esta é a nossa identidade.
A participação dos cristãos na política é inevitável. Deus nos chamou para exercermos nossa cidadania com responsabilidade. Da maneira como a nossa sociedade é organizada, é necessário intervir a partir da escolha refletida de representantes que promovam o maior bem para as pessoas. Através do voto, assumimos a responsabilidade de colocar no poder homens e mulheres que podem fazer grande diferença para a melhoria da condição de vida da população, através de uma gestão responsável dos recursos públicos.
É trágico constatar, porém, que o sistema políco de nossa nação está carcomido pela corrupção desde as suas bases. O que vemos no Brasil está longe de ser uma democracia no sentido mais fundamental da palavra. Os princípios mais elevados da justiça e da bondade são aprisionados em algum cárcere esquecido, enquanto a mentira, a corrupção e a venda da consciência correm livres e soltas em campanhas imorais e vergonhosas. O voto deixa de ser uma expressão de convicção e consciência para se tornar o mais baixo esgoto de prostituição social. Políticos são eleitos não por sua capacidade administrativa ou por seu compromisso com os valores éticos, mas por sua capacidade de comprar e vender a dignidade humana.
O mais trágico em tudo isso é que os que podiam fazer a diferença jogam-se na lama sem peso na consciência. Aqueles que se dizem discípulos de Cristo não hesitam em participar desse jogo diabólico em nome da lealdade partidária e da proteção de interesses pessoais. Tornam-se objeto de gozação nos círculos de uma sociedade sem Deus, comprometem o testemunho de Cristo, escandalizam a fé dos mais fracos, sacrificam os princípios mais valiosos e finalmente colaboram para tornar a vida em comunidade mais feia e degradante. Se pensamos que não poderia ficar pior, ainda usam o nome de Deus em vão e suplicam as bênçãos do Rei do Universo para a corrupção e a mentira.
O sacrifício da consciência é um preço alto demais para se desfrutar de favores políticos e financeiros. O alimento que chega à nossa mesa de forma desonesta não é abençoado. O conforto que desfrutamos pode se tornar numa cama de espinhos. E depois de tudo, teremos que conviver com a realidade que traímos nosso Deus, nossa conciência e a boa fé daqueles que acreditaram em nós. Nada pode substituir o favor de Deus. A bênção de Deus coloca em nossa mesa o pão da paz, afofa a cama da consciência tranquila, multiplica o pouco e toca o próximo com graça. Não se deixe embriagar pela esperança passageira, beba abundamente da vida que transborda hoje e permance para sempre. Não use as pessoas para atingir seus fins egoístas, seja um árvore frutífera onde as pessoas encontram sombra e alimento. Não se conforme com o sistema, seja uma pedra no sapato daqueles que acreditam que dignidade se compra. E tudo o que você fizer por menor que seja exercerá um impacto maior do que qualquer cargo político, o impacto de um filho de Deus que permaneceu leal ao seu Rei e Senhor! A participação do cristão política é inevitável, mas sua contaminação não só é evitável, mas indispensável se quisermos comprovar com a nossa vida a autenticidade da nossa fé em Cristo.
Jorge Issao Noda.  

Deixe uma resposta

Or

O seu endereço de e-mail não será publicado.


nove − 9 =